O que é o Parque Villa Lobos: inaugurado em 1994, é uma área de lazer a céu aberto na zona oeste de SP. Os trabalhos de paisagismo e arquitetura transformaram o grande descampado em um parque de design arrojado e cheio de atividades esportivas e culturais. Há um orquidário, gramados para fazer picnic e uma bela vista do skyline paulista, além do cachorródromo chamado Dog Zone Villa Lobos.

Espaço Pet Friendly: há dois espaços cercados por uma grade amarela, onde os cachorros são bem-vindos e podem ficar sem coleira. A princípio, os animais de porte pequeno deveriam ficar no espaço, obviamente, menor (de 500 metros quadrados) e os maiores no grande (de 1.500 metros quadrados), mas isso não é levado muito a sério. Apesar de ele não ser imenso, é possível dar um bom pique de uma ponta à outra.

O chão é de terra e há dois quiosques com cobertura e alguns bancos para sentar. Perto da grade, duas torneiras matam a sede dos pets. A Cool Media “adotou” o espaço Canino Villa-Lobos e o transformou em um ponto de encontro. O objetivo é fazer com que os donos troquem experiências, ou seja, vai além de ser uma área para o seu pet correr livremente.

Rua: Av. Professor Fonseca Rodrigues, 2.001 (a entrada mais próxima da Dog Zone é pelo portão da Av. Queiroz Filho)  Tel.: 11 2683 6302 Categoria: parque facebook: www.facebook.com/espacocaninovillalobos

Coluna escrita para o CatraCão do Catraca Livre

Nos finais de semana, o cachorródromo do Parque Villa-Lobos, na zona oeste de São Paulo, “bomba”. Cães de todas as cores, tamanhos e raças se encontram para correr, brincar e socializar. O programa é deles, os donos entram de carona e acabam fazendo amizade. O fato de ser fechado, cercado com uma grade amarela, mantém os “fujões” na linha e no campo de visão. A animação da cachorrada dá gosto de ver.

Se dá briga? Claro que não. Quem frequenta um ambiente público sabe conviver em sociedade. Pode até dar um arranca-rabo ali, uma rosnada aqui, mas nada demais.

Durante os dias de semana o parque é outro, muito mais tranquilo e reservado. Ainda assim, os dois espaços caninos são visitados. É a vez de quem trabalha em horários alternativos passear com a cachorrada. A chef de cozinha Cristiane Accioli, por exemplo, leva a Kiara e o Lucky para brincar de bolinha e dar cambalhotas.

Frequentar o cachorródromo nestes dias pode ser uma boa opção para cães de raças “marginalizadas” e uma ótima oportunidade de mudar de ideia sobre alguns pré conceitos. Neste dia, conheci a Treta e o Junk, dois pitbulls lindos. No começo, confesso, fiquei ressabiada de soltar a Ella (nossa mascote) com eles, apesar de saber que a minha cachorrinha jamais entraria em uma briga. Mas depois que o casal de tatuadores Ketty e Ling, donos dos pits, garantiu que nada aconteceria, dei um voto de confiaça e deixei nossa mascote solta. Conclusão: pits podem ser doces e amáveis com outros cães e pessoas. Fim ao preconceito.

Quando a Treta chegou ao parque, observei que ela usava uma fucinheira, que só foi retirada dentro do espaço canino. Assim que tive oportunidade de conversar com eles, perguntei o motivo. A resposta foi simples: por puro respeito a quem não sabe que eles são docéis. Cachorros educados só podem ter donos com um bom comportamento. Para gravar a cena do vídeo, o Ling abriu uma exceção e, a pedidos, deixou a Treta sem fucinheira. “Obrigada, Ling! A cena ficou linda e a Tetra já deixa saudades.

Serviço: Parque Villa-Lobos – Avenida Professor Fonseca Rodrigues, 2001 -Alto dos Pinheiros, São Paulo, SP (entrada pela Avenida Queiroz Filho). Horário de funcionamento: todos os dias, 5h30 às 19h (no horário de verão até às 20h). Informações: parquevillalobos.sp.gov.br.

Ficha Técnica
Categoria: parque e cachorródromo
Área Coberta: não
Espaço: grande
Vale levar: porta-saquinho
Recomendável: o cahorródromo, conhecido como Espaço Canino Villa-Lobos, é cercado. Perfeito para os cachorros ficarem soltos sem correr o risco de se afastarem demais e se perderem.