Entenda quem é seu pet

Sabe aquela história: o que é bom para mim, pode não ser bom para você? E vive-versa? Isso se aplica perfeitamente quando falamos de pets e estabelecimentos pet friendly. Cada pet é de um jeitinho e é importante entendermos quem é o nosso filho peludo para escolhermos adequadamente os programas. E mais: não julgarmos o local que não entrega a nossa expectativa específica, mas pode ser incrível para outro humano/pet.

Dito isso, criamos alguns perfis de pets:

Pet Roots

Este adorável sujeito sabe viver a vida intensamente. Gosta de correr e fazer trilha. Também aprecia nadar. Vale piscina, rio, lago e mar. E tem alma de aventureiro: rafting para ele é “vento no rosto”.

Pet Nutella

Tranquilo, prefere sombra e água fresca. Aprecia o frescor do ar condicionado e frequenta as melhores pousadas e hotéis, onde testa a maciez das camas. Além de fazer check in em bons restaurantes onde acompanha seu humano deitado no seu colchonete fofinho. Pode até curtir praia, mas embaixo do guarda-sol. Veste-se bem, praticamente “joga xadrez” e acorda dizendo “bonjour”. A Ella é presidente da classe.

Pet Buda

Para ele não existe tempo ruim: gosta de tudo e de todos. Ama os cachorros tanto quanto os humanos. Raramente, late ou rosna. É difícil tirar esse sujeito do sério. E ao se tratar de Nutella ou Roots, pouco importa porque é altamente adaptável, apesar de ter as suas preferências, o que o faz ser um cão coringa.

P O R T E

Bolsa

Os pequenos são considerados os pets de bolsa. Ai que delícia os pets portáteis. Eles são peso pluma e passam quase despercebidos onde vão. Fofinhos, adoráveis e apaixonantes. Os pequenos costumam (obviamente que isso não é uma regra), verbalizar (latir!) bastante. Podem ser Roots ou Nutella.

*Não costumam ter problemas para serem aceitos, porém os tutores precisam ficar de olhos nestes irresistíveis “ursinhos” porque alguns latem sem parar e podem morder.

Peso Pesado

São os mais gostosos de abraçar, são as lambidas mais quentinhas e juram que são um Chihuahua, não tem a mínima noção de seu tamanho e espaço que ocupam.

Quando se trata de regras pet friendly costumam injustamente serem barrados. Estou trabalhando com afinco para que este erro não perpetue.

Tamanho não é documento e, sim, bom comportamento.

*Os tutores devem estar atentos aos locais que eles deitam quando estão em um local público como um restaurante para evitar que obstruam a passagem e gerem algum acidente. E, obviamente, que só poderão interagir com outros cães e pessoas se forem sociáveis, afinal, a mordida de um grandão gera consequências bem mais expressivas do que de um pequeno.

*Aproveitando o gancho, aqui também entram as raças consideradas “perigosas” por um estigma da mídia. Sabemos que há muitos cães dóceis e aqui temos um grande trabalho a ser feito.

Pet em treinamento

O nome já indica que ele está se preparando. Pode ser que ele seja um filhote e esteja no processo de aprendizagem ou tem alguns comportamentos que precisam ser trabalhados, antes de “debutar na sociedade”. Nada de desistir dele! Apenas eduque-o com treinamento indicado por um comportamentalista animal antes de o levar a restaurantes e hotéis, que são locais onde latidos excessivos, xixis fora do local certo, agitação constante e rosnadas/mordidas não funcionam e causam um atraso imenso ao mundo pet friendly. Pois uma experiência ruim, anula 100 boas e, em alguns casos, faz com que o local desista de nos receber.

Atenção na escolha!

Há hotéis e pousadas, assim como restaurantes e shoppings, para os Nutellas e os Roots. Vá no que funciona para você. Os pets de bolsa e os pesos pesados implicam cuidados diferentes, mas em ambos os casos você deve estar preocupado em não incomodar o vizinho.

Você gosta quando uma criança é mal-educada, grita, chora e corre sem parar? Um humano fala alto demais na mesa ao lado ou uma música está no volume máximo e obriga todas as pessoas a escutarem? Quando uma pessoa joga lixo no chão ou não puxa a descarga em um banheiro público? Eu não e tenho certeza de que você também não aprecia e até se incomoda. Pense nisso quando estiver conduzindo seu pet e JAMAIS justifique que ele faz algo como muitas crianças e adultos também fazem. Vamos nos nivelar pelo correto e não pela falta de educação alheia. OK? Dessa forma, vamos conquistar muitos e muitos locais pet friendly!