Por que vivemos com os pets?

Vocês lembram da cena do filme Náufrago, de 2000, com o Tom Hanks? Da emocionante cena em que ele chora desesperadamente quando a bola de vôlei da marca Wilson se desprende da sua embarcação improvisada? WILSOOON, ele grita com dor. Isso me fez pensar como o ser humano precisa de uma companhia. Em tempos de isolamento social, isso ficou ainda mais latente. Já parou para analisar o quanto os cachorros têm assumido um importante papel afetivo em nossas vidas?

Coluna publicada para o Estadão.

E o que a psicologia fala sobre isso? O que nos motiva a querer ficar mais tempo com nossos pets? A psicóloga Sônia Russo levanta alguns pontos que deixam claro essa dependência emocional: a companhia de um cão estimula o sistema límbico do cérebro, que interfere nas emoções. A relação de afeto estabelecida com os cães aumenta os níveis de oxitocina e a produção de serotonina e dopamina, que são responsáveis por combater a depressão e sentimento de solidão e, consequentemente, favorecem a felicidade e bem-estar. E, de repente, tudo faz sentido. Quer dizer, mais sentido ainda.

Vamos esquecer por um minuto a necessidade de reclusão social para combater o vírus. Assim que a vacinar sair poderemos voltar a frequentar parques e praças com nossos pets e mesmo que a gente vá sozinho, dificilmente ficará só por muito tempo. Outros humanos estarão ali com o mesmo propósito que você e empatia pelos pets. Trocar dicas, telefone de veterinários e falar sobre trivialidades da vida com o seu cachorro será esperado e quando você perceber uma amizade poderá acontecer. Amizade ou algo a mais. Os psicólogos vêm essa dinâmica como algo positivo para combater a depressão e ansiedade. Sim, cachorros curam a solidão. Quem está com um cão, nunca sente-se só. 

Outro aspecto importante: a auto estima provocada por sentir-se amado. Quem tem cachorro sabe como é prazeroso receber aquele olhar apaixonado que o segue por onde você vá. Sem julgamento e com um amor incondicional que não olha porte físico, classe social ou partido político. Cães amam e só. 

Segundo Sônia Russo, “algumas horas por dia na companhia do seu pet são mais eficazes do que alguns medicamentos”. Claro que concordamos com essa afirmação, pois vivemos no dia a dia essa relação intensa de amor mútuo. Às vezes, penso se apenas eu e a Ella temos uma vida tão próxima, mas logo me lembro do personal trainer Ivan Moreira dizendo que se o Bono (seu labrador pentacampeão de surf dog) não for, é melhor nem chamá-lo. Ou do jornalista Celso Zucatelli comentando que só viaja para locais que pode levar a dupla Paçoca e Mandioca. Então, quando escuto o ator Jean Visconti dizendo que depois que adotou a Kimi, só busca por programas e locais que possa ir com ela, tenho certeza de que outras pessoas descobriram como eu o poder da oxitocina.