Hospedagem pet friendly

Foi-se o tempo em que era necessário encontrar um hotelzinho para deixar os cachorros ou pedir para alguém cuidar deles quando chegavam as férias e a família tinha planos de viajar. E você sabe o porquê? Bem, em primeiro lugar porque os pets também estão nos porta-retratos, ou seja, eles viraram integrantes, filhos, partes do clã. E, felizmente, os hotéis e pousadas entenderam que é total tendência aceitar animais.

Assim nasceu a categoria de hospedagem pet friendly. Há quem vê o pet como hóspede principal e se prepara para recebê-lo e os que aceitam mediante bom comportamento. No meu ponto de vista, nenhum invalida o outro, ok? Ambos tem seu valor. 

Coluna publicada para o Estadão.

Pet como foco

Acho maravilhosa a percepção da classe hoteleira sobre a importância dos pets na vida dos humanos. Também é estimulante observar o quanto os locais se adaptam às necessidades deste novo tipo de cliente. Entre as atrações estão piscina para nadarem e um local equipado para banho e secagem. Além de trilhas e gramados para correrem e até veterinário no local. Nos quartos, há camas e comedouros exclusivos para eles. Já até vi potes de petiscos no balcão de check in. 

O número de hotéis e pousadas voltados com exclusividade para os pets ainda é pequeno. Seguramente, tende a crescer e terá demanda. Entretanto, há uma quantidade grande de estabelecimentos que recebe clientes com pets, entre os que estão sem, e aí a conversa muda de figura. O bom comportamento dos cães passa a ser fundamental para manter a paz mundial. 

Como o seu cão reage ao encontrar estranhos ou outros cachorros? Latir não é legal porque vira poluição sonora. Xixi e cocô não devem ser feitos em áreas comuns e caso haja um acidente, você deve limpar, não espere que isso seja feito por um funcionário. No quarto (a não ser em cima do tapete higiênico) é igualmente proibido eles se “aliviarem”. E se você tiver que sair do quarto, seu pet ficará sozinho numa boa? Pois em uma situação de medo e tédio, ele pode roer a porta, o tapete e a roupa de cama e nem preciso dizer que isso é inadmissível. Além de chorar e latir. Agora, sejamos sinceros, claro que os cães vão subir na cama. Não vejo problema, mas limpe primeiro as patas para não sujarem a colcha ou lençol. 

A hora da escolha

Cada hotel tem as suas regras. Alguns limitam o acesso dos pets à piscina e café da manhã. Outros, permitem mediante bom comportamento. E quase todos, dos mais de 100 que já nos hospedamos, liberam caso a caso. Se o seu melhor amigo for calmo e obediente, poderá circular com liberdade. Por isso, é importante saber qual é o perfil do seu cão. A Ella, minha shar pei, que “escreve” comigo essa coluna, faz o tipo coringa: quando tem um gramadão na sua frente, corre adoidado. Mas se precisar se portar como uma lady, não será notada. Sei que a minha forma de educá-la, dando limites, é fundamental para que possa estar sempre comigo, em qualquer lugar, o que me faz feliz. Extremamente feliz.